Quinta da MassôrraVinhos genuínos - Fruta com sabor

Propriedades

Os cerca de 10 hectares de área agrícola repartem-se pela Quinta da Massôrra, Quinta das Cancelas, Leira da Quinta, Lubagueira e Ermida. As propriedades situam-se no vale do Rio Douro, no concelho de Resende, a diferentes altitudes (entre os 300 e os 400 m).
Para além dos 4 ha de vinha, 4 ha de cerejeiras, 1,5 ha de ameixoeiras e 0,5 ha de castanheiros - produções destinadas à comercialização, produzimos para consumo familiar mais de 20 tipos de fruta: maçãs, pêras, nashis, kiwis, pessêgos, nectarinas, damascos, nêsperas, limões, laranjas, tangerinas, toranjas, diospiros, figos, nozes, romãs, uva de mesa, azeitonas, morangos, amoras e framboesas. Fruta de invejável aroma e doçura, fruta com sabor a fruta!
O respeito pelo ambiente e pelo consumidor é uma preocupação em todas as fases do ciclo produtivo das diversas culturas existentes.




Pomares

A qualidade do solo, a abundância de água para rega, e as condições climáticas típicas do Douro, permitem-nos produzir fruta de excelente sabor e aroma. Fruta com sabor a fruta!

Para além da plantação de modernos pomares de cerejeiras, ameixoeiras e castanheiros, grande parte dos pomares mais antigos da Quinta da Massôrra foram renovados nos últimos anos.
As plantações têm sido feitas com recurso a porta-enxertos ananicantes, visando a obtenção de árvores mais baixas e que permitem a colheita a partir do solo.
Com excepção da fruta destinada ao consumo da família e da venda direta aos turistas que nos visitam, toda a fruta produzida é vendida diretamente à CERMOUROS, uma moderna empresa importadora e exportadora de hortofrutícolas instalada no concelho de Resende.

Vinhas


Todas as uvas utilizadas na vinificação dos vinhos da Quinta da Massôrra, são cultivadas nas nossas vinhas localizadas na freguesia de S. João de Fontoura, concelho de Resende, zona de transição da Região do Douro com a Região dos Vinhos Verdes.
São cerca de 4 ha de vinha, de idades muito variáveis (entre os 12 e os 60 anos), plantadas igualmente num compasso variável (entre as 3500 e as 7000 videiras/ha).
No caso do vinho branco, optou-se exclusivamente pela casta Arinto. No caso do vinho tinto, pela Touriga Nacional, Tinta Roriz e Souzão. As vinhas mais antigas foram plantadas em socalcos suportados por grandes muros de granito, feitos à mão. As vinhas mais recentes, foram plantadas em modernos patamares de terra, escavados nas encostas do Douro através de potentes máquinas giratórias.
A vinha é mantida no regime de Produção integrada, isto é, recorrendo o mínimo possível à utilização de produtos químicos, o que implica contudo, um aumento da necessidade em mão-de-obra.

Adega


O edifício da adega, situa-se no piso térreo da casa da Quinta, tendo sido recuperado e renovado em 2000.
Trata-se de uma adega pequena, mas bem equipada, que permite transformar as excelentes uvas produzidas na Quinta, em vinhos tintos e brancos de grande qualidade e originalidade.

No caso dos vinhos tintos, mantém-se o ritual da pisa tradicional. Após o desengaçamento, as massas passam para os lagares de granito onde irão fermentar, com pisa a pé, durante cerca de 2 semanas. Após a prensagem, o vinho é armazenado em cubas de inox onde ocorre a fermentação malolática. O estágio, variável em função do perfil de vinho pretendido, é feito em barricas de carvalho.
No caso dos vinhos brancos, após o arrefecimento das uvas em câmaras frigoríficas, a prensagem é feita imediatamente após o desengace, seguindo-se a decantação em cubas de inox durante 36 horas. Uma parte do vinho branco fermenta em cubas de inox com controlo de temperatura, e o branco destinado ao Quinta da Massôrra Colheita Selecionada fermenta em barricas de carvalho.